Santuário Frei Galvão

Sexto dia da Novena: Frei Galvão Arauto da Paz nas famílias

Famílias, casais de segunda união e Pastoral Familiar, foram os paraninfos deste sexto dia da Novena. Olhando Frei Galvão e a espiritualidade franciscana, os fiéis foram convidados a celebrarem na intenção de seus familiares. Frei Galvão, olhando Jesus Cristo, nos aponta os valores que garantem a paz nas famílias. Presidiu  a missa das 15h, Frei Roberto Ishara. Na missa das 19h30, o Santuário acolheu Dom José Eudes, Bispo da Diocese de Diocese de São João del-Rei. Dom José conheceu nesta noite o Santuário. Foi dada a ele a presidência da missa. Frei Alisson Zanetti, o pregador. 

 

"Para a restauração de uma família, o perdão é a solução. Repetmaos o gesto de Paz do santo das famílias". 
 

 

Às 15h, Frei Roberto ateve-se a três falas de Jesus. E as interpretou da seguinte forma: Primeira, “eu vim trazer o fogo”. Traduzindo-a como sendo “o fogo do amor”. A “divisão de Cristo”; como decidir por Ele. “A decisão é um corte, é uma divisão”, lembrou Frei Roberto. Enfim, Jesus Cristo com aquele traria uma nova Paz. "Exista nas famílias o fogo do amor,a paz de Cristo, a decisão. Todo o cristão deve ser uma pessoa decidida". Assim convicou os fiéis para assumirem com empenho a fé na sua família. “Não existe católico mais ou menos”. Trouxe ainda três fatos da vida de Frei Galvão que dizem respeito a temática do dia. Primeiro, “porteiro e confessor”: as pessoas iam ao seu encontro pedindo conselhos para viverem reconciliadas. Um homem que andava muito: nessa experiência, ele pousava nas casas e dava as bênçãos. Observando o gesto da mão direita erguida, disse o terceiro gesto do santo. "A mão, fala de paz. A benção da paz". 

"Para a restauração de uma família, o perdão é a solução. Repetmaos o gesto de Paz do santo das famílias". 
 

 

Dom José Eudes, Bispo da Diocese de Diocese de São João del-Rei, presidiu a missa das 19h30. Esta foi a primeira vez do bispo no Santuário. Junto deles, outros sacerdotes de sua Diocese. Porém, quem pregou foi Frei Alisson Zanetti, frade que atua no Seminário Frei Galvão, na cidade de Guaratinguetá. 

Frei Alisson iniciou a reflexão lembrando a função de um arauto na Idade Média, como emissário dos reinados. “Frei Galvão, arauto da paz nas famílias”, foi esse emissário de Jesus Cristo. “Como sermos arautos da paz diante das dificuldades?", perguntou o frade. “Mais do que falar, sejamos ouvintes. O bom ouvinte sabe ponderar as palavras”, disse. Recordou que Frei Galvão era um homem que visitava as famílias, levando-os à reconciliação. Citando outro dado histórico da vida de Frei Galvão, lembrou que a Câmara municipal reivindicou a permanência de Frei Galvão na capital paulistana. "Ele era um pacificador das famílias. Um homem da justiça, da caridade, da paz", mencinou Frei Alisson. 
 

 

“A divisão de Jesus tem outro entendimento. Jesus Cristo exige-nos uma escolha. Uma decisão! Não querendo herdar os bens já conquistados pela sua família, e que com certeza lhe seria passado como herança, Frei Galvão quis tão somente a Jesus Cristo”. Fez o paralelo com a fala de Jesus sobre a divisão, a não a paz. 

Ainda pode lembrar o quanto a relação entre os membros de uma casa está estranha, em dias atuais. "O isolamento dos filhos, a ausência dos pais, tudo isso tem afetado o seio familiar", concluiu. 
 
 
 
A celebração foi conduzida como de costume, nestes dias de Festa. Frei Diego saudou o povo de Deus e agradeceu especial, a presença fraterna de Dom José Eudes. Amanhã, dia 22, sétimo dia da Novena.